seres_proposta_1200Artboard-22

VIVER COM VIH

A falta de informação na sociedade acerca do VIH faz com que ainda existam muitos preconceitos sem fundamento. Aprenda a lidar com o seu diagnóstico de forma positiva no seu dia-a-dia e no relacionamento que tem com as outras pessoas.

6.1 | Lidar com estigma

Já todas sentimos o preconceito em alguma altura da nossa vida quer fosse pelo aspecto físico, quer pelo comportamento, quer pela forma de vestir… mas o estigma e a discriminação por ser portadora de VIH/SIDA, real ou presumido, são múltiplos e complexos, e afectam mais as mulheres do que os homens mesmo quando são infectadas com a doença através dos respectivos maridos. A discriminação pode ocorrer a qualquer nível como na procura de emprego, ir para uma escola, viajar, …

O que é o estigma?
O estigma é a resposta a um medo social e pode alterar significativamente a nossa vida. O estigma pode ser o reflexo do medo associado a uma doença transmissível e mortal e/ou para expressar atitudes ou sentimentos em relação a grupos ou estilos de vida associados à doença (Herek, 1999).

O conceito de estigma pode ser definido como uma marca, um sinal, um atributo profundamente desonroso e desacreditador que transforma o seu possuidor de uma pessoa normal em alguém “marcado/manchado/poluído”. O estigma caracteriza-se por alguns atributos:
– as pessoas são consideradas responsáveis pela sua doença;
– a doença é progressiva e incurável;
– a doença não é bem compreendida pelo público em geral;
– os sintomas não podem ser ocultados (Goffman, 1963).

Por vezes internalizamos os preconceitos e estigmas sociais, tornamo-nos mais vulneráveis e como o VIH ainda não é compreendido pelas pessoas em geral somos consideradas culpadas pela nossa condição assim como julgadas moralmente. Alguns efeitos secundários como a lipodistrofia (alteração da forma do corpo) podem contribuir para a discriminação ao ser considerada uma desordem que causa repulsa, identifica a pessoa como portadora do VIH e deste modo bloquear a interacção social.

Deste modo o estigma que se baseia no medo e ignorância leva à discriminação (tratamento injusto).

O que contribui para o estigma e discriminação?
– O VIH é uma doença potencialmente fatal;
– A não compreensão da doença (por exemplo mitos e conceitos errados sobre como o VIH é transmitido);
– Associação do VIH com comportamentos e estilos de vida específicos (promiscuidade e consumo de drogas injectáveis);
– Preconceitos existentes contra grupos da população já estigmatizados e discriminados devido à sua etnia, sexo e/ou orientação sexual.